Pai

Eu não sei quantas vezes vejo reclamação dos maridos por parte das mamães tanto na internet como de amigas e conhecidas ao vivo. Vou tentar te ajudar um pouquinho e ajudar os papais também nessa discussão sem fim.
Não vou mentir aqui e dizer que algumas vezes não rolou ou não rola um: tô precisando que faças mais. Mas depois de muita conversa e a Malu quase completando 2 anos a conversa tá mais tranquila e a cobrança menor. 
Lembro que quando estava grávida achava o máximo ela mexendo na barriga, chamava ele toda vez que acontecia, nas primeiras vezes euforia, mas depois ele só dizia "ahh que massa!" e eu ficava péssima. Conversando com outras amigas elas diziam a mesma coisa e depois de conversar com o marido vi que a gravidez é muito diferente para os dois.
Pra mulher é simples, ela descobre que tá grávida e tudo começa a mudar, normalmente a mulher vai sentir os enjoos, dor no peito logo no começo e isso já vai fazendo com que ela entre no clima da gravidez e tenha certeza que ela está carregando um bebê dentro dela. Pro marido, não, eles não sentem nada, a mulher nem barriga tem e eles não conseguem ter a dimensão exata do que está por vir.
A barriga começa a crescer e todo mundo já sabe que tu vais ser mamãe, você pode estar sozinha na fila da padaria que todo mundo sabe que tu vais ser mamãe e já vem perguntar sexo, quando vai nascer, se sentiu enjoo, já vai falar mil mandingas e mais um pouco. Mas com o marido todo mundo só sabe que ele vai ser pai quando ele está contigo ou quando ele fala, do contrário ele será o mesmo homem que vai todos os dias comprar o pão na padaria. Dá pra notar o quanto começa a ser diferente para os dois? Tu já és mãe e ele ainda é o mesmo homem de sempre.
O bebê começa a mexer, mas a gente sente, eles têm uma dificuldade imensa de entender a mexida do bebê na tua barriga, claro que depois com chutes fortes fica bem mais fácil, mas enquanto tu já estás sentindo a tempos, eles ainda vão demorar pra ver e sentir todas essas mexidas. E aí surge as frustrações da mãe, pois a gente como mulher tem a necessidade de fazer o outro entender o que estamos sentindo, mas os maridos não tem essa necessidade e acho que existe um pouco de frustração por parte deles também por causa disso e aos poucos eles preferem deixar para quando o bebê nascer.
Logo que eu descobri que estava grávida um amigo nos disse o seguinte "Não adianta, a Sabrina vai começar a te mostrar o bebê mexendo a barriga vai crescer, mas tu só serás pai quando nasce! Quando nasce parece que tudo vem em ti quando tu recebes aquela coisinha pequena nos braços!"
Pronto, aos poucos eu fui me lembrando daquilo e entendendo e o marido também foi me falando um pouco disso, bem aos poucos, pois eles não gostam de nos tirar a animação de dizer que não sentem o mesmo que nós. E não adianta pensarmos que eles são péssimos pais, eles ainda não tem noção do que está por vir e acho que nem a gente mesmo, mas sentimos.
Mas mesmo assim não é motivo de tu não conversares com o futuro papai o que sentes, quais são teus sentimentos com tudo isso e, o mais importante, o que espera que ele faça e como seja como pai. Digo que essa é uma conversa boa para se ter até antes de engravidar, pois isso pode ser determinante nas tuas decisões. 
Pois podes estar contando com um pai participativo, fazendo seu papel de pai, mas ele vai ser o que acha que coisa de filho é coisa de mulher, então pode ser que precises de um aparato de alguém pra te ajudar a cuidar ou alguém pra cuidar da casa e assim por diante. Mas podes contar com um pai super participativo e que faça o seu papel, pois lembre-se que ele não está te ajudando ele está fazendo apenas o que um pai deve fazer, e assim não precises de babá e nem de uma empregada para todos os dias, mas converse com ele!!!
Aqui sempre teve essa conversa, dei exemplos de como eu queria que ele fosse como pai e tudo mais, não houve surpresa pra ninguém. Muito menos pra ele de que com certeza eu o cobraria depois.ehehe
E quando o bebê nasce tens que deixar que ele faça as coisas, trocar fralda, dar banho, colocar pra arrotar, tudo. Não mamães, não é fácil! vocês devem estar pensando "vou ter que ter paciência com meu marido, então?" Não! Eles é que terão que ter conosco, pois ficamos 9 meses com aquele serzinho indefeso na nossa barriga e quando eles saem do nosso casulo a gente acha que ninguém vai fazer todas as tarefas com o bebê como a gente. Achamos que só nós estamos certas e que o marido sempre faz tudo errado.
Lembro que o primeiro banho da Malu foi dado em conjunto, eu o papai naquela árdua tarefa, já que ela gritava muito, mas conseguimos. Depois de uma semana o marido teve que viajar e ficou eu e a minha mãe com a Maria Luísa e começamos a ter um outro jeito de dar banho e que era bem melhor do que o ensinado na maternidade. 
Quando ele voltou de viagem quis dar banho e deixamos, mas quase morremos do coração, pois ele pegava a guria toda torta, quase colocou o rostinho dela na água, mas fui ajudando e mostrando o novo jeito. Era uma missão quase impossível pra mim, pois eu achava que ele iria afogá-la, machucá-la ou qualquer coisa assim. Mas ela saiu ilesa a tudo, graças a Deus.kkkk
A tarefa de colocar roupa depois do banho tinha que ser rápida por causa do frio e poderia ocasionar cólicas, aí eu tomava esse posto, pois achava que ele sempre fazia devagar e ela chorava demais. Isso nós concordamos, mas nunca houve um dia que eu tenha dito "sai daqui que eu faço tudo sozinha". Pois eu queria que ele estivesse ali sempre fazendo certo ou errado e ele também queria estar ali. Claro que eu escutei o contrário "deixa eu fazer e sai daqui". Mas coitado, como escutava.
Se o teu marido não tem coragem de dar banho ou de trocar, ele pode buscar a água do banho, limpar a banheira, levar a roupinha suja pro tanque ou outras milhares de coisas que envolvem a vida de um bebê. Faça isso! 
Normalmente os homens são ensinados a vida toda que brincar de boneca é coisa de menina e nós mulheres tratamos nossas bonecas como filhas e quando as filhas de verdade chegam o marido pode achar a mesma coisa "isso é coisa de menina", mas não é. Mostre a ele diferente e não deixe que a família influencie nessa conversa de vocês, pois já vi irmã tirando o irmão (pai do bebê) das tarefas de vestir o bebê, pois "ele não sabe" (isso não aconteceu conosco). Mas ninguém nasceu sabendo, não é verdade?! Ele vai aprender e conseguir. 
Na maternidade as enfermeiras iriam trocar a fralda até eu ter condições de fazer, mas meu marido que quis aprender e ele que trocou todas as fraldas na maternidade, eu só ajudava. Faça o mesmo! (Daqui a pouco vou ter uma enxurrada de emails de maridos furiosos comigo, pois as mulheres querem que eles troquem fralda. Eu aguento, podem dizer que fui eu que mandei). Mas é isso mesmo, lembram daquela historinha "eu não fiz sozinha", coloquem em prática. 
Mas entendam que vocês devem deixar que eles sejam pais, é difícil pra gente no começo, mas pro resto da vida será excelente para os dois ou melhor para os três ou quatro ou cinco...
Ahhh sim, meu marido continua pedindo que eu arrume a mala da Malu, pegue a roupa pra escola, pedir que eles combinem roupa já é querer demais.

O dia que eu comecei a ser mãe.




O dia que ele começou a ser pai.
Beijos.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...